Severi estreia “Há Fantasmas na BelaVista” a 27 de Janeiro Severi estreia “Há Fantasmas na BelaVista” a 27 de Janeiro

Severi estreia “Há Fantasmas na BelaVista” a 27 de Janeiro

Classifique este item
(0 votos)

Onze severenses, oriundos de todas as freguesias do concelho, sobem ao palco do CAE

“Há Fantasmas na BelaVista” estreia no Centro das Artes e do Espetáculo de Sever do Vouga, no próximo dia 27 de Janeiro, pelas 21h30. Trata-se de uma produção da associação concelhia Severi - Associação Cultural e de Expressão Dramática - que vai levar onze severenses ao palco, oriundos de todas as freguesias do concelho. A peça, encenada por Helena Briga Nogueira, é uma comédia com a duração de 90 minutos e é também uma homenagem a um dos símbolos do concelho: a Pensão Bela Vista.

Severi estreia “Há Fantasmas na BelaVista” a 27 de Janeiro“Este é o primeiro grande projeto de teatro apresentado pela Severi. Os ensaios arrancaram em Setembro e tem sido uma verdadeira maratona. Quisemos aprimorar cada pormenor, porque, o nosso grande objetivo é deixar uma marca que é o teatro amador de qualidade. Acredito que temos aqui um grande espetáculo, concebido para chegar a todos os públicos. É uma comédia que quer fazer rir e, acima de tudo, aproximar os severenses da cultura e do teatro. Estamos saudavelmente ansiosos, mas também muito confiantes e orgulhosos do trabalho que temos para apresentar”, referiu Patrícia Fernandes, Presidente da Direção.

 

“Esta peça é nossa: de todos os severenses”

“Uma produção com muito sangue severense” é assim que Patrícia Fernandes fala deste projecto. “Temos atores de todas as freguesias do concelho, sem exceção. Esta produção consegue, contudo, agregar muitas outras pessoas, desde a imagem, aos cenários, aos figurinos... o cunho severense está sempre presente. Por isso, espero que os severenses sintam este sentimento de pertença, porque esta peça é nossa: de todos os severenses. Aliás esta é a marca da Severi: um projeto inclusivo e de todo o concelho”, destacou a dirigente.

 

“Quem vier ver esta peça pode contar divertir-se à brava”, garante a encenadora

Também a encenadora tem raízes severenses, já que foi professora na Escola Secundária de Sever do Vouga durante vários anos. “Regressar a Sever, rever pessoas que me são muito queridas e conhecer outras que me ficarão no coração foi fantástico”, confessa Helena Briga Nogueira que se mostra feliz por ter abraçado este novo projeto. “A experiência tem sido muito estimulante. Este é um grupo divertido, talentoso, apaixonado pelo teatro e inteiramente recetivo a todos os desafios, sejam eles quais forem. Tem sido um prazer trabalhar com eles”, referiu.

Helena Briga Nogueira abre um pouco o pano e revela o que é que os severenses podem esperar do “Há Fantasmas na BelaVista”. “Quem vier ver esta peça pode contar divertir-se à brava, já que é um espetáculo com muito ritmo, concebido para proporcionar 90 minutos de gargalhadas, ministradas a intervalos regulares pelos talentosos atores da Severi. Teremos fantasmas, polícias e ladrões, gente fina e gente finória, enganos e ilusões – é que nesta peça, como na vida, nem tudo o que parece é”, antecipa.

 

Pensão Bela Vista faz parte das nossas memória e do nosso imaginário

O título remete para a história de Sever do Vouga, destacando a Pensão Bela Vista. “Digamos que o pano de fundo deste espetáculo é uma pensão abandonada. Podia ser uma qualquer pensão e pensámos: porque não dar-lhe o nome da pensão que faz parte das nossas memórias? Dar o nome de Pensão Bela Vista? Lembro-me que, nos tempos de criança, com doze ou treze anos, quando andava na escola e a Pensão Bela Vista ainda não tinha sido reabilitada, todos tínhamos um grande fascínio pela pensão, acreditávamos mesmo que haveria lá fantasmas... creio que fará parte do imaginário de muitos severenses”, recorda.

Lida 388 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

Em busca do Amor

O Ondas da Serra vai realizar um novo evento, vamos tentar procurar, falar e meditar sobre o “Amor” e nada melhor que procurarmos todos a nossa “Ilha dos Amores”. Com esta demanda em mente vamos caminhar para Castelo de Paiva no dia 22 julho.

Demanda pela Ilha dos Amores

A nossa epopeia marítima glorificada pelo nosso poeta mor Luís de Camões, descreve-nos um lugar edílico na “Ilha dos Amores”, Cantos IX e X d'Os Lusíadas. Nestes cantos é revelado a disposição da deusa Vénus em premiar os marítimos portugueses, com um merecido descanso e com prazeres divinos, numa ilha paradisíaca, no meio do oceano, a Ilha dos Amores. Os ventos estavam favoráveis e levou-nos ao encontro desta Ilha em Castelo de Paiva. Localizada em frente ao porto do Castelo, com vista para a Ilha dos Amores, parte um percurso pedestre com o mesmo nome. A sua localizada privilegiada no Rio Douro e junto à foz do Rio Paiva tem uma beleza e encanto especial.

Percursos pedestres/bicicleta em Aveiro

O nosso magnifico distrito possui dezenas de trilhos onde podemos observar a natureza, pássaros, insetos, flores, árvores e escutar um silêncio que dificilmente encontramos no meio urbano. Por vezes durante as caminhadas poderá cruzar-se com os habitantes desses locais, lembrem-se que um cumprimento e um sorriso não custam nada e fazem muito bem. Nós temos falado com pastores, pescadores, idosos e feirantes que sempre nós ensinam algo e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.

Faça Login para postar comentários
Pub