“Eu sou a alma e ele é o alecrim” Destaque

Classifique este item
(2 votos)

As emoções são o princípio de um projeto a dois. Se para Filipa é impossível viver sem alma, para Pedro a vida é mais intensa através da fotografia. Conheceram-se, viajaram, casaram e lançaram a Alma de Alecrim. O blogue, a loja virtual e o espaço físico, no centro histórico de Aveiro, são histórias de amor simples, mas intensas.

Comida, viagens e outras estórias são o princípio do blogue Alma de Alecrim. As emoções que cada fotografia revela são a parte imaterial do projeto lançado por Filipa e Pedro e que está prestes a celebrar dois anos.

No blogue cabe ainda uma loja online e que complementa o espaço físico a escassos minutos do canal de Aveiro.

“A nossa loja é tipicamente de inspiração nórdica: o branco, a madeira, os produtos, o cantinho das crianças para os pais poderem ver a loja. Queremos criar estes mimos para as pessoas e o feedback tem sido ótimo”, partilha Filipa Sousa.

A bloger trabalhou 15 anos na indústria alimentar antes de reinventar o seu caminho. Deixou a bioquímica e hoje dedica-se em exclusivo à Alma de Alecrim: “Quando nos conhecemos, o Pedro queria criar um projeto em comum, com energia positiva. O alecrim é uma erva energizante e achámos que esta ideia fazia todo o sentido. Eu sou a alma e ele é o alecrim. É a alma dele, do Pedro”.

São as palavras de Filipa Sousa, mãe do Tomás e do Miguel, e para quem as emoções são vitais para viver bem: “Eu gosto da palavra alma e de tudo o que implica. Gosto de escrever com alma”.

A candura da loja combina harmoniosamente com a simplicidade dos produtos. São apontamentos funcionais e diferenciadores, pedaços do mundo acessíveis a todos. Cadernos de viagens, capas de vasos, álbuns de fotografia, vinis de parede e cadernos artesanais fazem parte de uma extensa lista de mundos e perceções da realidade.

Filipa revela que os materiais preferidos são essencialmente feltro, madeira e tecidos: “São materiais confortáveis, que nos transmitem serenidade, e que para nós fazem sentido”, acrescenta. As capas de vaso são o produto mais procurado, em 100% lã e com borracha natural no interior, em que se pode regar o vaso e não estraga o produto. Se for amante do café, a loja física também oferece o serviço coffee to go.

“Temos uma linha que é toda feita no Nepal, sendo que tudo o que é feito de feltro é feito no Nepal, embora seja desenhado na Suécia e em França”, arremata Pedro. Fotografo e designer, é apaixonado por culinária e viver intensamente. Para isso, não dispensa a máquina fotográfica nem o entusiasmo de Filipa.

Leia também: DAM - Manifesto contra o design aborrecido

Alma de Alecrim surgiu de uma ideia simples. “Saíamos, fotografávamos e queríamos partilhar as fotografias e as emoções que elas podem dizer”, recorda a bloger. Filipa não sabe dizer de onde é. Nasceu em Lisboa, viveu em Azeitão e no Porto e está em Aveiro há vários anos. É de Portugal.

“Do blogue nasceu a ideia de loja porque queríamos trazer um pouco de todos os produtos que íamos vendo e pelos quais nos íamos apaixonando. Queríamos torna-los acessíveis. Surge a loja online e depois surgiu a loja física e que nos enche as medidas”, explica Filipa. No fundo, o projeto “nasceu da vontade de partilhar as fotografias com as pessoas”, conta Pedro e, entretanto, expandiu-se.

Aliados às fotografias, aos produtos e às divagações, surgem os workshops. A escrita criativa, as técnicas de dobragem de papel (origami) e art coaching são as temáticas dos próximos eventos. Iniciativas que promovem a arte de fazer e a criatividade.

“Andamos a correr de um lado para o outro. As pessoas não param, não respiram, não olham, não namoram e é isso que queremos transmitir. Há coisas bonitas na vida. Aqui, podemos ter objetos diferentes e que nos permitem ter uma vida simples, uma vida calma. Simplificando, conseguimos tudo”. Filipa é perentória na sua perspetiva de vida.

Leia também: Ilustrações Catita - presentes com muito para dizer

A filosofia do casal é a simplicidade sem sacrificar o entusiasmo, a aventura, o amor e o tempo. Ao fim-de-semana, exploram Portugal e quando a oportunidade surge saltam as fronteiras para conhecer novos destinos, sempre num conceito de roadtrip. “Gostamos de conhecer espaços que tenham a nossa essência, onde se é intenso, mas de forma serena”, termina Filipa Gomes de Sousa.

A loja de lazer não tem apenas produtos para decorar a casa, prendas com consciência ou um estilo de vida. Alma de Alecrim é o espelho das almas de Filipa e Pedro. Um projeto que o amor criou e que vai bem com estórias intensas de amizade, bem-estar e simplicidade.  

 

Localização e Contáctos Próximos workshops

Alma de Alecrim

Rua Luís Cipriano, 25 (junto do Teatro Aveirense)

3810-128 Aveiro

Segunda a Sexta-feira: 10h30 - 18h30

Sábado: 10h30 - 13h:00 e 15h30 - 18h00

Website: www.almadealecrim.pt

Origami (capas de jarra) – 17 de Março. 

Art coaching – 24 de Março.

Escrita Criativa nível 1 – 7 de Abril

Aguarelas – 28 de Abril.

Escrita Criativa (nível por definir) - 5 de Maio.

Encadernação - data por definir.

 

 

Lida 224 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

É tão bonito! Onde fica?

O chão de madeira serpenteia entre a maior zona lagunar do Norte de Portugal com o brilho que só a natureza pode proporcionar. Os passadiços da Barrinha de Esmoriz, no concelho de Ovar, são o passeio idílico para amantes de praia, natureza e emoções. É bonito por tudo o que oferece a quem o visita. Simples e poderoso.

Pedalando por Válega e Avanca

Um destes dias fomos pedalar por Válega e Avanca. Iniciamos o percurso pela Rua Ponte de Pedra, perto da linha do norte da CP e do viaduto da Avenida D. Maria II em Ovar. Pedalamos alguns quilómetros em direção a sul, pela Rua do Afreixo, por um caminho de terra batida, sempre com a linha pelo nosso lado direito. A dada altura perto do apeadeiro de Válega tivemos que passar para o outro lado da linha e continuamos a pedalar em direção a sul, mas agora com a linha pelo nosso lado esquerdo.

Rio Inha em Canedo

A margem esquerda do Rio Inha em Canedo foi requalificada, dotando agora aquela parte do rio com uma bonita frente ribeirinha com cerca de três quilómetros. Quem circular pela Estrada Nacional 222 entre Canedo e Castelo de Paiva, antes da Ponte do Inha, vira à direita e desce para a Rua da Ribeirinha, onde começa o percurso, que termina no Rio Douro.

Faça Login para postar comentários
Pub