Trilho das “Terra de Granito” Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Antes de se ter abatido o dilúvio durante o mês de março, a nossa equipa teve ainda tempo de ir fazer a Macieira de Alcôba – Águeda, o PR4 - Trilho das “Terra de Granito”.

Igreja Paroquial de São MartinhoEsta aldeia tem na sua entrada um bonito cartão de visita, que remete para a sua história de produção de milho. Estacionamos o carro junto à Igreja Paroquial de São Martinho e gostamos logo do que vimos. Esta aldeia é boa para quem gosta de ambientes rurais, calma, sossego e águias a cruzar os céus que a espaços soltam o seu pio. Sobranceira à aldeia, como guardiã, espreitava a torre da Capela de Nª Srª de Fátima.

Depois de observamos a aldeia subimos as escadarias da capela e tivemos uma agradável surpresa, a porta para a torre sineira estava aberta e não enjeitamos a oferta, com muito respeito subirmos a escadaria giratória em granito e podemos tirar magnificas fotos e vislumbrar dum local privilegiado a aldeia em redor. Um sino tinha a seguinte inscrição “1899 – BRAGA VIUVA DE NARCISO A. C”, no centro estava destacada a palavra “BRAGA”, que pensamos possa ter sido nome de uma família.

Leia também: Macieira de Alcôba - Parta à descoberta dos seus encantos e tradições

Metemo-nos ao caminho, seguindo as placas e conversando com os animais que iam aparecendo, cabras, ovelhas e outras criações pastorícias. Como é habitual conversamos com as gentes locais e brevemente serão publicados os seus testemunhos.

Este percurso é muito rico e diversificado, onde podemos encontrar muitas rochas graníticas, casario em ruínas, miradouros, edifícios e tradições religiosas. O que nós mais gostamos foi ver os animais pelo caminho, a magnifica vista do miradouro do Monte da Junqueira, os rios, a floresta, as pedras em granito nas construções das casas ou espalhadas pela paisagem.

No final do percurso já não fomos a tempo de visitar o Centro Interpretativo do Milho antigo, no domingo seguinte iria ser feita uma apresentação da confeção tradicional da broa caseira. Nós não podemos ir, mas não faltaram oportunidades.

Leia também: Trilho da Ponte de Ferro

O trilho está bem assinalado, contudo junto à Capela do Carvalho, não existe sinalização, ou não não a vimos, para não se enganar deve descer em direção ao casario da aldeia ali próximo, onde encontra logo placas indicativas. O que não deve fazer se estiver de frente para a capela é seguir pelo caminho da esquerda, descendo por uma encosta. 

Como chegar: Nós como viemos do norte utilizamos a A29, sentido norte-sul, saímos para a A25 em direção a Viseu. Aqui abandonados esta via no corte para as Talhadas, tomando a direção de Águeda. A dada altura viramos em direção a A-dos-Ferreiros e Préstimo, depois é sempre em frente não tem como se enganar.

Leia também: Rostos de Macieira de Alcôba
Leia também: As vinhas Casa D’Almear

Download do desdobrável da CM Águeda.

 

Pontes de Interesse Informações
  • Aldeia de Macieira de Alcôba;
  • Igreja Paroquial de São Martinho;
  • Centro Interpretativo do Milho antigo;
  • Piscina fluvial;
  • Hortas Velhas, antigas hortas com os seus corrais em ruínas;
  • Capela de Nª Srª da Guia, onde existe um parque de merendas e se realiza no terceiro domingo do mês de agosto a festa do “Milagre d'Urgueira”;
  • Miradouro do Monte da Junqueira, onde se pode vislumbrar na linha do horizonte Águeda e Aveiro;
  • Forno da Urgueira;
  • Aldeia do Carvalhal;
  • Capela do Carvalho;
  • Capela de Nª Srª de Fátima, sobranceira à aldeia;
Partida e chegada: Macieira de Alcôba (Largo da Igreja de S. Martinho) ou Urgueira
Âmbito: Ambiental, paisagístico, geológico, cultural e desportivo
Tipo de percurso: de pequena rota, circular, por caminhos urbanos, rurais e florestais pedestres
Distância: 8 km
Duração prevista: 3/4 horas
Grau de dificuldade: Médio/Elevado
Época aconselhada: todo o ano
Estado: Aberto
Fonte: CM Águeda

 

 

Lida 172 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

Em busca do Amor

O Ondas da Serra vai realizar um novo evento, vamos tentar procurar, falar e meditar sobre o “Amor” e nada melhor que procurarmos todos a nossa “Ilha dos Amores”. Com esta demanda em mente vamos caminhar para Castelo de Paiva no dia 22 julho.

Demanda pela Ilha dos Amores

A nossa epopeia marítima glorificada pelo nosso poeta mor Luís de Camões, descreve-nos um lugar edílico na “Ilha dos Amores”, Cantos IX e X d'Os Lusíadas. Nestes cantos é revelado a disposição da deusa Vénus em premiar os marítimos portugueses, com um merecido descanso e com prazeres divinos, numa ilha paradisíaca, no meio do oceano, a Ilha dos Amores. Os ventos estavam favoráveis e levou-nos ao encontro desta Ilha em Castelo de Paiva. Localizada em frente ao porto do Castelo, com vista para a Ilha dos Amores, parte um percurso pedestre com o mesmo nome. A sua localizada privilegiada no Rio Douro e junto à foz do Rio Paiva tem uma beleza e encanto especial.

Percursos pedestres/bicicleta em Aveiro

O nosso magnifico distrito possui dezenas de trilhos onde podemos observar a natureza, pássaros, insetos, flores, árvores e escutar um silêncio que dificilmente encontramos no meio urbano. Por vezes durante as caminhadas poderá cruzar-se com os habitantes desses locais, lembrem-se que um cumprimento e um sorriso não custam nada e fazem muito bem. Nós temos falado com pastores, pescadores, idosos e feirantes que sempre nós ensinam algo e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.

Faça Login para postar comentários
Pub