Yoga no Parque – As emoções conflituosas Yoga no Parque – As emoções conflituosas
quarta, 27 março 2019 22:16

Yoga no Parque – As emoções conflituosas

Classifique este item
(0 votos)

No domingo dia 24 de março, o Ondas reuniu algumas pessoas da nossa comunidade no Parque Urbano de Ovar, para praticar Yoga. Estes encontros não têm mestres nem professores, apenas pessoas que querem praticar esta arte milenar.

O tema dessa prática, foram as emoções conflituosas, a natureza moldou o homem com emoções, carinho, empatia, amizade, amor, paixão, admiração, aborrecimento, irritação, antipatia, ódio e muitas mais, umas fortes, outras subtis.

O homem é então um ser emocional, que o ajudou no seu processo evolutivo. Todas as pessoas têm uma equivalência entre o seu potencial negativo e positivo. O homem médio possui um controle razoável sobre as suas emoções, consegue identificar o que sente e com mais ou menos dificuldade ter mão no seu emocional.

Este tema levou-nos a falar daquelas pessoas que não conseguem minimamente controlar o que sentem, deixam as emoções ditarem as suas leis e comandarem a sua vida, o que acaba por lhe trazer vários problemas pessoais em todos os contextos da sua vida em sociedade.

Nós refletimos que ter emoções não é mau e fazem parte da natureza humana, mas que as devemos identificar porque as más são poluidoras e vão gerar atritos no nosso cérebro. Estas más vibrações devem ser identificadas e amavelmente postas de lado. Uma má emoção é como uma fogueira, quando mais lenha deitarmos mais avivávamos o fogo, o que devemos fazer para não nos queimarmos é reduzir o combustível da desgraça ou deitar água nas suas labaredas.

Uma pessoa que constantemente se mova pelo ódio, vingança, que viva constantemente zangada, irritada, praguejando, vociferante, com linguagem vil e semeando a discordia, vai entrar num ciclo de más vibrações que vão afetar o seu emocional, que por sua vez afeta o físico e em última analise leva a doenças, sendo as depressões as mais conhecidas.

Este tema não se esgota aqui, nem numa simples prática, é muito vasto, mas devemos calmamente refletir nele se queremos melhorar a nossa vida, é um erro pensar que se algo não corre bem, a culpa é sempre dos outros e do mundo.

A prática de Yoga visa a união integrações das pessoas consigo própria e com a sociedade onde vivemos, buscando o seu autoconhecimento. A prática continuidade seja de que método for, embora na nossa opinião alguns são mais indicados do que outros, pode ajudar numa primeira fase acalmar o espírito, melhorar o emocional e posteriormente a pessoa mudar o seu comportamento levando a que cessam as causas do seu sofrimento.

Por este motivo o Mestre De Rose, de nacionalidade Brasileira, escreveu o livro, “Faça Yoga antes que precise”, porque o mais correto é a pessoa procurar o Yoga antes de ficar mal e não desistir quando começar a sentir-se melhor, para mais tarde regressar aflita.

Resta-nos dizer o seguinte, o Yoga não é uma moda, para embelezar o corpo, para os animais ou bebés. É uma filosofia de vida, com preceitos morais que devem ser seguidos de forma a que o ser humano evolua, para se sentir bem, não fazer mal aos outros e ao planeta onde vive, porque todos estamos ligados.

Fotos: Rui Sousa do Ondas da Serra. | Leia também: Eventos Ondas da Serra

 

Lida 165 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Almisouto | Uma associação em comunhão com a natureza

No fundo de um florido vale, por onde serpentei o rio Lage, num lugar que poucos conhecem por Penouco, em Cabomonte, na Rua da Ponte, nasceu a 21 de janeiro de 2009, a ALMISOUTO - Associação de Lazer S. Miguel do Souto, nos “Antigos Moinhos do Fidalgo”, num terreno e casa rústica que o tempo já tinha tomado posse.

Mansores terra fértil de levadas

A caminho de Arouca já passamos inúmeras vezes por Mansores, mas nunca paramos nesta terra. Desta vez a pretexto de fazermos o PR11 - trilho das levadas, subimos à Nª Srª do Rosário, no lugar da Vila, onde contemplamos os vales e montanhas que se estendiam em redor.

Aldeia de Noninha na Serra de Montemuro

Ondas da Serra regressou ao local onde nasceu, nas encostas da Serra de Montemuro em Arouca. Não nos cansamos de trilhar os seus caminhos, respirar os seus ares e escutar os seus silêncios, por vezes distraídos pelos chocalhos dos rebanhos das vacas, cabras e ovelhas que já vão rareando.

Faça Login para postar comentários