Núcleo urbano de Oliveira de Azeméis Igreja de Ul
quarta, 19 abril 2017 15:14

Núcleo urbano de Oliveira de Azeméis

Classifique este item
(0 votos)

Andando a pé pelo centro histórico da cidade de Oliveira de Azeméis, que se desenvolve basicamente ao longo das ruas Bento Carqueja e António Alegria, que constituem o traçado da antiga EN 1 dentro da cidade, é possível observar vários edificios de grande valor patrimonial.

Este percurso tem cerca de 4,3 km com partida no Mercado Municipal e chegada à Praça José da Costa. O percurso pode ser efetuado em qualquer época do ano, sendo que, sem chuva a visita será mais beneficiada. Percurso maioritariamente plano.

 

  
 

Mercado Municipal

Este mercado, que se realiza desde os anos 20, e apesar das diferentes localizações que já possuiu, continua a ser um núcleo de relacionamento social das populações, assim como continua a ser a única unidade comercial, na área alimentar, de dimensão significativa no centro da cidade.

Para mais informações consulte: http://www.cm-oaz.pt/desenvolvimento_economico.881/mercado_municipal.882.html

Localização: Edifício do Mercado Municipal, Oliveira de Azeméis Dias: Quartas e sábados da parte da manhã GPS: 40º50'27.64”N | 8º28'37.20”W

 

 

Casa dos Monteiros, Cesar

Nesta habitação privada de 1820 predominam grandes muros de pedra com ameias que lhe conferem um aspeto de castelo. A entrada principal para a propriedade faz-se por um portão majestoso num muro de pedra, também com ameias, e dois grandes pilares em forma de torre, entre os quais se evidencia o brasão da família. O seu espaço envolvente é ajardinado. GPS: 40º54’59.6”N | 8º26’35.0”W

 

 

Igreja Matriz de Oliveira de Azeméis

Construída, entre 1719 e 1729, na parte do núcleo antigo de Oliveira de Azeméis, num pequeno morro, conquistou uma posição dominadora perante a cidade. No exterior, a imponência da escadaria de acesso frontal à igreja dá acesso a um conjunto de painéis de belos azulejos que representam cenas da vida de Jesus e numa escultura de S. Miguel, padroeiro da freguesia. No seu interior, na capela-mor, é de salientar uma tela da autoria de Marques da Silva, representando a Ressurreição. GPS: 40º50'26.07”N | 8º28'40.49”W

 

 

Chafariz

Localizado em frente à Igreja Matriz está o Largo do padroeiro S. Miguel, com um chafariz, cuja coluna pertenceu a um pelourinho existente na Praça José da Costa, demolido a 27 de Maio de 1864. Este chafariz esteve outrora na Rua do Mártir. GPS: 40º50'25.83”N | 8º28'39.46”W

 

 

Marco Miliário da Milha XII

Retirado do seu local de origem teve diversas localizações, encontrando-se hoje exposto no largo próximo da Igreja Matriz. Foi encontrado na freguesia de Ul, nos trabalhos de demolição dos alicerces da antiga Igreja de Santa Maria de Ul e é um achado arqueológico de extrema importância. Trata-se, portanto, do marco indicador da milha 12 da via militar romana entre Lisboa e Braga, erigido entre 1 de Julho de 23 d.C. e de 24 d.C. É em granito, com 165 cm de altura e 40 cm de diâmetro. Tem inscrito: TIB. CAESAR.DIVI.AVG FILIVS.AVGVSTVS PONTIFEX.MAXVM TRIB.POTESTAT.XXV XII Significa: “Tibério César Augusto, filho do divino Augusto, Pontífice Máximo, no ano 25 do seu poder tribunício. Milha 12”. GPS: 40º50’24.88”N | 8º28’39.73”W

 

 

Edifício Xá-Xá-Xá

Esta edificação dos inícios do séc. XIX, de composição neologista, era uma habitação particular, que é atualmente utilizada para uso comercial, sendo propriedade privada. GPS: 40º50’23.87”N | 8º28’38.68”W

 

 

Casa dos Sequeira Monterroso

Imóvel de arquitetura popular, de planta retangular, de grande sobriedade e depuração arquitetónica, destacado pela pedra de armas, a qual se crava entre duas sacadas, que tal como as janelas são de padieiras direitas e cantarias lisas. A fachada principal eleva-se em dois pisos, com dupla entrada central simples de vãos reTangulares, correspondendo a dois janelões com sacada, no segundo piso. Piso térreo com oito vãos diferenciados e piso superior com quatro janelões quadrangulares enquadrando as duas sacadas centrais.

 

 

Casa Amarela

Este edifício, que data do séc. XIX, destaca-se pela beleza dos seus azulejos. É propriedade privada e mantém a sua função de residência particular. GPS: 40º50’22.35”N | 8º28’39.95”W

 

 

Casa de Bento Carqueja

Casa onde nasceu, a 6 de Novembro de 1860, uma das mais emblemáticas figuras de Oliveira de Azeméis: Bento de Sousa Carqueja. Chegou a ser coproprietário do Jornal “O comércio do Porto” e, fazendo proveito do seu prestígio a nível nacional e atraindo o financiamento de vários quadrantes e personalidades, promoveu em Oliveira de Azeméis a construção de diversas infraestruturas básicas bem como um vasto conjunto de iniciativas de âmbito cultural, desportivo, turístico e de solidariedade social. Em frente à casa e à Câmara Municipal está o busto que lhe foi dedicado, inaugurado em 1960, aquando das comemorações do seu primeiro centenário. Este edifício alberga hoje algumas valências da Câmara Municipal. GPS: 40°50'20.74"N | 8°28'40.43"W

 

 

Edifício dos Paços do Concelho

Localizado numa zona privilegiada da cidade, na Praça da República, o edifício começou a ser construído em Dezembro de 1844 e ficou concluído por volta de 1851. A sua construção foi paga, por ordem do Rei D. Miguel, através do desvio do imposto real de carne e vinho que até à data era pago pelos habitantes do concelho de Oliveira de Azeméis com o intuito de custear as obras da barra de Aveiro. De início tinha muitas funções, albergando os tribunais judiciais e administrativos, a sala de sessões da Câmara, a Repartição da Fazenda e vários compartimentos onde se alojavam funcionários subalternos. Na cave situava-se a cadeia, a casa do carcereiro e a sala livre. Na sua estrutura interior, o edifício já passou por várias transformações. O seu aspeto exterior, onde se destaca um Brasão Nacional, mandado edificar por D. Miguel I em 1844, manteve-se praticamente inalterado até aos dias de hoje. É propriedade pública, albergando em si diversos serviços da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis. GPS: 40º50’20.94”N | 8º28’39.72”W

 

 

Monumento a Ferreira de Castro

Do escultor Eduardo Tavares, foi inaugurado a 30 de Dezembro de 1966 por ocasião das comemorações do cinquentenário da publicação de “Criminoso por Ambição”, o primeiro romance do escritor Ferreira de Castro. A escultura em bronze representa e homenageia o Emigrante, uma figura paradigmática na obra do escritor e que simboliza simultaneamente a condição social outrora vivida por muitos oliveirenses. GPS: 40º50'19.60”N | 8º28'39.27”W

 

 

Casa dos Côrte-Real

Arquitetura civil privada, tardo-maneirista. Palácio urbano de planta retangular e alçados relativamente baixos e de grande sobriedade decorativa, com capela do mesmo estilo, adossada à direita do seu corpo, de planta longitudinal e nitidamente riscada com aprumo estético. Conjunto composto por volumes articulados com coberturas diferenciadas. Com uma fachada principal de dois pisos, a casa ostenta, ao centro, uma escadaria única e perpendicular virada para a Praça, com largo lanço de 14 degraus. O primeiro piso compõe-se por duas portas, à esquerda da escadaria e duas janelas e porta central à direita, correspondendo, ao nível do segundo piso, a janelas de sacada, sobre mísulas caneladas, e pedra de armas da família titular com escudo esquartelado dos Vasconcelos, Brandões Soares e Silvas. GPS: 40º50’19.30”N | 8º28’40.14”W

 

Fonte: Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis

Lida 548 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Igreja Paroquial de São Mamede de Guisande

Nas nossas voltas pelo distrito de Aveiro, fomos até Guisande em Santa Maria da Feira, onde descobrimos a sua bonita Igreja Paroquial em honra de São Mamede e Capela de Nossa Senhora da Boa Fortuna.

Terras de Paço de Mato, Viadal, Vilar e Gatão

O Ondas voltou à Vale de Cambra para continuar a descobrir as suas bonitas aldeias ou reencontrar alguns amigos e começar o percurso onde antes tínhamos terminado, Paço de Mato.

Minha terra, meu Museu

Após visita ao Vale Mágico em busca da arte expressa nas ruas através do seu ‘Walking Tour de Arte Contemporânea’ voltamos ao ambiente  “… cercado de montanhas de formas extravagantes...” de Ferreira de Castro para saber mais da sua história, pois assim o teria de ser... e fomos ao museu.

O Museu Municipal de Vale de Cambra situa-se na freguesia de Macieira de Cambra nos antigos Paços do Município, que foi a sede do concelho até 1926. Dista 3Km do centro de Vale de Cambra e é o primeiro andar de um edifíco do séc. XIX onde funciona no rés-do-chão a Junta de Freguesia.