segunda, 13 fevereiro 2017 19:14

Sob o olhar do Senhor Plácido… Destaque

Classifique este item
(6 votos)

Manuel Faria Plácido Resende. Nasceu em 1930, no Lugar dos Moinhos, freguesia de Sanfins, Santa Maria da Feira. Feirense há 86 anos, o “Senhor Plácido” assim como é conhecido na terra, apresenta uma lucidez indescritível no seu discurso. As suas memórias e vivências, quando contadas na primeira pessoa, são como uma fotografia real de todo o seu percurso. Ouvir as histórias é sinónimo de mergulhar no passado desta personalidade que se mistura inexplicavelmente com a realidade da ancestral e saudosa “Vila da Feira”. Fotografia, pintura e música são as suas principais paixões e traduzem a eloquência das suas palavras quando atrás de si já ultrapassou toda uma vida.

Casa Plácido“Boa Tarde Senhor Plácido, podia responder a algumas perguntas sobre a sua história?”. Por detrás do balcão da sua mercearia e sem conhecer quem o questionava, o famoso feirense acedeu prontamente ao pedido sem hesitar. “Andei a estudar até aos 19 anos e acabei por fazer o 7º ano do liceu. Tive o azar de ser filho único e como o meu pai tinha a maior casa comercial da terra acabei por vir parar aqui”, confessa. Localizada perto da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, a Casa Plácido é uma mercearia centenária surgindo em terras feirenses em 1875. “Foi o meu bisavô que abriu esta loja. Estão aqui várias gerações e tenho a sensação que é uma espécie de testemunho que me foi passado”, realça.

As suas paixões

Viciado em banhos de multidão, como o próprio refere, a sua vida está ligada ao estabelecimento comercial mas a pintura e a fotografia são a sua grande paixão. “A fotografia é uma prima muito próxima da pintura. Considero a fotografia como a parente plebeia e a pintura como parente nobre. São dois mundos que se complementam. Em 1949 comprei a primeira máquina fotográfica. Fui logo a correr ao castelo e tirei uma fotografia apontada aqui para baixo. Ainda tenho essa fotografia e fico perplexo, porque Santa Maria da Feira era uma única rua. Se for ao castelo hoje, tenho que torcer o pescoço em 360º”, explica.

Ainda no mundo das artes, Plácido Resende confessa ter outra predilecção, a música. Estudou piano durante 8 anos e teve a honra de ser um dos fundadores da Academia de Música da cidade fogaceira. Em jeito de confissão, admite ter sido amigo de Arthur Rubinstein, aquele que considera o maior pianista do mundo. “Carreguei com a mala dele por três vezes, do teatro Rivoli até ao Hotel Infante Sagres. De maneira a que minha vida está muito ligada à música, ocupou uma grande parcela da minha vida”, remata.

Figuras que o marcaram na história de Santa Maria da Feira

Assistiu à Segunda Guerra Mundial, à Guerra Civil de Espanha, viveu o 25 de Abril, por isso nada melhor que o próprio para ilustrar quais as figuras feirenses que o marcaram ao longo da sua vida. Domingos Caetano de Sousa, antigo Presidente de Câmara de Santa Maria da Feira e médico, representa para o Senhor Plácido alguém que deu tudo pelos feirenses.

“Foi um individuo que durante os anos que estive na Misericórdia, ele trabalhou imenso para o Hospital e era 100% feirense onde deu milhares de consultas gratuitas a quanta gente havia, a começar por mim. Outra referência recordada é Vaz Ferreira. Romancista, historiador, ministro, governador e amigo pessoal do Rei D. Carlos. “Lembro-me também de outro grande feirense, o Dr. Roberto Vaz de Oliveira, meu grande amigo. Fui eu que tirei as fotografias para ilustrar os livros dele”, refere. Ainda alusivo às suas memórias, considera o Dr. Belchior como figura proeminente da terra e recorda Henrique Veiga Macedo, antigo ministro de Salazar. Para terminar esta onda de figuras emblemáticas do concelho da Feira, o comerciante recorda o seu amigo e colega pintor, António Joaquim Ferreira, pela qual nutre um grande carinho resultado da sua grande amizade com o mesmo.

O dia de saborear a fogaça

Dia 20 de Janeiro vive-se uma tradição que é respeitada pelas gentes da terra. Denominada Festa das Fogaceiras, a cidade pára neste dia e assiste a um momento de festa assinalada com um feriado que é marcado por uma procissão. “É uma festa interessantíssima que honra a terra e que se torna num pólo de atracção sobretudo para quem vive no concelho”, defende. O prestigiado feirense viveu maior parte destes acontecimentos com uma máquina fotográfica na mão onde registou todos os pormenores.

Imbuído no espírito fogaceiro e fortemente enraizado nas suas origens, não deixa de fazer um alerta. “Se este acontecimento fosse no Verão, com os emigrantes e com os dias maiores, a festa deixaria de ser de âmbito concelhio e passava a ser de âmbito europeu”, conclui. Saciando a curiosidade de quem petisca esta doçaria regional, o senhor Plácido confessa que aprecia uma fogaça bem-feita e que não pareça uma regueifa. “Lembro-me perfeitamente de as torrar e colocar manteiga. É um método que poucas pessoas usam”, explica.

Reza a Lenda

86 anos de vida certamente servem para desmistificar ou confirmar boatos que têm origem no seio de um povo, neste caso nas terras da Feira. Diz a lenda que nos tempos do regime de Salazar, mais concretamente em 1934, uns padeiros da cidade estavam a confeccionar um doce típico da região quando, de repente, apareceram agentes da Pide. Os mesmos reagiram com medo e um deles segredou “Caladinhos”. Esta história tem prevalecido no seio dos feirenses e tem servido como base do aparecimento deste doce tão procurado em terras de Santa Maria. “Eu vagamente ouvi falar nisso, mas é natural que tenham confirmação. De qualquer maneira eu queria chamar a atenção para o seguinte. Eu nasci em 1930 e desde a mais tenra idade que ouvi falar em caladinhos.

Em 1930 já existiam os caladinhos e já assim eram designados. Eu bem sei que a Pide terá surgido no início da década dos 30. Sei porque andei no colégio de Espinho e tive na minha sala de aula, como grande amigo, um dos filhos daquele médico que foi morto pela Pide em Nogueira da Regedoura. Como sabe criam-se muitos boatos, anedotas, simulações, no entanto, é uma história com muita lógica e que pode ter acontecido”, realça.

Ser feirense é uma realidade que diz pouco aos demais, mas que diz muito a quem é, naturalmente, de Santa Maria da Feira. O senhor Plácido é um ícone vivo desta cidade e o seu amor e conhecimento à região é um cartão-de-visita a quem quer conhecer este recanto ou saber um pouco mais da sua história.

Terminando este momento motivado pela curiosidade em conhecer tal personalidade feirense, o nosso amigo termina a entrevista fazendo uma referência ao filósofo Epicuro, aconselhando que uma das receitas para se ser feliz é ter amizade. Resta-nos dizer, Obrigado senhor Plácido!

 

Texto: Miguel Vidal

Fotografia: Ricardo Grilo

 

Lida 2343 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

São João de Fontoura na Rota dos Cerejais

Os vastos horizontes que se têm aberto ao Ondas da Serra levaram-nos para fora de Aveiro para ver outras maravilhas do nosso país, desta vez fomos até São João da Fontoura em Resende, para degustarmos a sua Rota dos Cerejais.

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Passadiços de Aveiro em harmonia com a ria

Debaixo duma forte borrasca, com a chuva e o vento a fustigar-nos fomos ao encontro dos novos passadiços de Aveiro. A autarquia aproveitando as potencialidades da Ria, construiu um via pedonal e ciclável, que coloca o visitante em contacto direito com a laguna, a fauna e flora duma forma harmoniosa.