Ilustrações Catita: presentes com muito para dizer Foto: Facebook Catita Illustrations
quinta, 22 fevereiro 2018 10:20

Ilustrações Catita: presentes com muito para dizer Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Catitar não pertence ao rol de verbos da generalidade das pessoas para encantar os outros. No entanto, as ilustrações Catita cativam o mundo pela forma elegante como a Rita desenha e cria presentes com consciência. Uma marca para famílias porreiras com um toque de humor, com foco no universo kids. Gostar de pessoas e de coisas é Catita.

Catita IllustrationsA popularidade do verbo catitar aumenta a cada novo produto. Seja numa ilustração desenhada digitalmente no estúdio da Corunha seja na impressão de uma T-shirt com alguma coisa para dizer ao mundo, o sucesso da marca portuguesa nascida em Espanha já eliminou as fronteiras do velho continente e vende para todo o mundo.

Rita Sousa é a fundadora e designer gráfica da marca Catita Illustrations. Aos 38 anos, é o rosto e a energia de uma empresa que começou por acaso e que o instinto empurrou para o sucesso. Cinco anos depois da sua formalização, o gosto por desafios e o não ter medo de arriscar, sempre com loucura, sorte e trabalho, muito trabalho, criaram uma empresa de sucesso.

Natural de São João da Madeira, Rita estudou design gráfico na Escola Artística e Profissional Árvore, no Porto, começou a trabalhar aos 18 anos e criou o seu próprio negócio depois dos 30. Mudou-se para a Corunha porque Henrique, o marido, teve uma proposta de trabalho. E foi na Corunha que regressou à arte.

Leia também: Povo que lavas no rio

“A Catita nasceu e vive online. Tínhamos um blog de amigos, nada a ver com isto, e certa altura uma das seguidoras pediu-me se podia fazer um retrato ilustrado da irmã mais nova que ia fazer um ano. Eu acedi e fiz. A menina de um ano era filha de uma mummy bloger, atualmente uma das maiores de Portugal.”, partilha Rita numa conversa com o Ondas da Serra na Oliva Creative Factory. A mummy bloger é Fernanda Ferreira Velez, autora do blog da Carlota, uma das mais reconhecidas bloggers do universo kids em Portugal.

Fernanda Velez partilhou a ilustração e os pedidos de informação começaram a chegar. A primeira pedra da Catita Illustrations estava lançada. Estávamos em 2011. “Depois de ser mãe, percebi que o mercado kids era maravilhoso, não está tão marcado por tendências, e é muito viral”, explica a artista.

“Comecei a vender para as lojas de Portugal e após três anos senti necessidade de expandir. Portugal é o meu melhor mercado, mas deixou de ser suficiente”. Para alcançar novos mercados, Rita contactou influenciadores digitais alinhados com a linguagem da marca, nomeadamente instagramers, e começou a estabelecer redes em novos países.

“Tenho muito orgulho em chegar longe, em termos de território. Adoro que uma pessoa da Austrália me compre um t-shirt. Isto acontece porque as marcas indie estabelecem um vínculo emocional muito grande com as pessoas. As pessoas querem ter uma coisa da marca, uma coisa tua. Começam-te a seguir, a namorar e de repente estão apCatita Illustrationsaixonadas pelo teu produto e pelo teu mundo.”

Leia também: Fotografar São João da Madeira

Henrique Garcia também nasceu em São João da Madeira e é atualmente project manager da empresa. “O meu marido veio trabalhar comigo e agora para além da marca temos um estúdio em que trabalhamos a comunicação visual de muitos marcas”. Inquietos por natureza, Henrique e Rita criaram o estúdio na sua própria casa e todos os anos redecoram-no para não se fartarem.

A Catita Illustrations começou com os prints e que se mantêm como o core business da marca. Todavia, desde a sua primeira ilustração, há 11 anos, que a empresa tem apostado na diversificação do seu portfólio. Hoje, a marca oferece posters com ilustrações, vinis decorativos, paper bags para arrumação de brinquedos, notebooks (cadernos), linhas de joias e t-shirts.

Fight Like a Girl é o estampado da T-shirt de sucesso da Catita. A marca indie com missão pedagógica lançou-a em 2017 para celebrar o Dia da Mulher. Tornou-se viral e consolidou a sua entrada no universo de slow fashion. “Houve uma instagramer francesa, a Coline, que comprou a T-shirt e publicou-a no Instagram. Nessa noite vendi umas 50 t-shirts nas primeiras duas horas. Tínhamos acabado de entrar no mercado francês”.

Make our planet green again, Coolest dad ever e real men change diapers são algumas das mensagens que os admiradores da marca podem orgulhosamente ostentar. Sempre com um design simples e bem-disposto. Suíça, França, Espanha, Austrália e países nórdicos são apenas dos mercados que já se renderam à marca portuguesa.

Sobre o Futuro?

“Estamos todos muito formatados para ter planos de futuro e não nos podemos focar nisso porque senão o negócio morre ao nascer. Se o fizermos ficamos com tanto medo que acabamos por não arriscar.” A única certeza de Rita é que quer continuar a trabalhar na Catita Illustrations para que cresça e conquiste mais reconhecimento, novos mercados, e muitos produtos acabadinhos de desenhar. Porque desenhar é o que lhe dá mais gozo.

“Tens de ser atento, criativo, curioso, criar redes, ser digitalmente apto e não ter medo. Não tenhas medo de expor o teu trabalho porque não sabemos quem vai ver e do que vir daí.” O fundamental é arriscar.

Para mais informações ou encomendas, visite a loja online em: https://store.catitaillustrations.com

Imagens: Facebook da Página Catita Illustrations

Catita Ilustrações
Lida 499 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Inácio Monteiro | Cesteiro

Quem acompanha o nosso projeto sabe que exploramos o nosso distrito principalmente a caminhar ou de bicicleta. Estas são boas formas de não deixarmos escapar certos pormenores importantes da vida real. Esta semana que está a terminar, ao passarmos na Rua dos Lavradores em Válega, vimos sentado numa cadeira na berma da estrada, junto dum pinhal um homem a fazer um cesto em vime. O patriarca duma família de etnia cigana trabalhava em frente algumas precárias barracas onde a sua comunidade vive.

Ricardo Vieira: “A música é um caminho infinito”

Ricardo Vieira imortaliza os compositores e as suas criações a cada concerto. O pianista nasceu em Santa Maria da Feira há 33 anos e hoje conquista plateias em todo o mundo. Dezassete anos depois do primeiro concerto com orquestra, no Teatro São Luiz, em Lisboa, garante que nunca vai com “receio para cima do palco”.

6 Fragmentos vezes 60

Tratam-se de excertos de realidades, cada um construído sem a menor preocupação com o outro. Não querem saber se encaixam nas expectativas que os restantes fragmentos possam ter. Numa clara postura narcisística, adotam o seu discurso, as suas crenças e as suas opiniões. São seis fragmentos vezes 60 com a subtileza de mudanças que ocorrem em segundos e que tantas vezes não são vistas.

Faça Login para postar comentários
Pub