Pág. 1 de 2

Conhecer (10)

Conhecer

O concelho de Arouca, abrange uma área de 327 Km2, situa-se no extremo NE do distrito de Aveiro e está integrado na NUT III do Entre Douro e Vouga, da região Norte de Portugal, juntamente com os concelhos de Sta. Maria da Feira, Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra, e S. João da Madeira. Fazem fronteira com o seu território os municípios de S. Pedro do Sul, Castro Daire, Cinfães, Castelo de Paiva e Gondomar e ainda os referidos municípios de Sta Maria da Feira, Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra.

A vila, sede do Concelho, tem cerca de 3.000 habitantes e está situada no extremo nascente do Vale de Arouca, a cerca de 60 Km da sede de distrito e 50 Km da cidade do Porto. O concelho é composto por dezasseis freguesias, assim designadas: Alvarenga, Chave, Escariz, Fermêdo, Mansores, Moldes, Rossas, Santa Eulália, S. Miguel do Mato, Tropêço, Urrô, Várzea, união de freguesias de Arouca e Burgo, união de freguesias de Cabreiros e Albergaria da Serra, união de freguesias de Canelas e Espiunca e união de freguesias de Covêlo de Paivó e Janarde. Nele vivem cerca de 24.000 habitantes.

O posicionamento neste contexto regional traduz a situação de fronteira/interface que Arouca detém, entre as regiões Norte e Centro de Portugal, entre os distritos de Aveiro, Viseu e Porto e entre o litoral (industrializado, bem servido por redes de acessibilidades, com povoamento disperso e relevo relativamente pouco acidentado) e o interior (montanhoso e deprimido do ponto de vista demográfico, social, económico e infraestrutural). 

Fonte: cm-arouca.pt

No nosso projeto por vezes andamos na ria, outras nos mares, mas adoramos as montanhas. Por montes e vales, podemos pousar o olhar nas silhuetas curvilíneas e sensuais das paisagens serranas. O som é diferente e as pessoas talvez porque vivam mais isoladas, são mais calorosas. É por isto que Arouca nos atrai, mesmo depois dos incêndios terem delapidado parte da sua riqueza.  Mas nem tudo se perdeu, o melhor ainda lá está, as suas gentes, costumes, campos e animais.

Numa destas frias manhãs de outono deslocamo-nos ao lugar de Fuste, que pertence à freguesia de Moldes em Arouca. Chegamos ao local por uma estrada pequena em largura e condições. Os vales das serras ainda estavam cobertos pela neblina matinal, mas o sol prometia chegar por breves horas aos locais mais recônditos.

Outra das riquezas gastronómicas arouquenses, é a doçaria conventual e regional. Na doçaria conventual, cujos segredos de confecção ainda permanecem desde o tempo em que as freiras habitavam o Convento, temos as castanhas doces, o manjar de língua, as barrigas de freira, as roscas e charutos de amêndoa, as morcelas doces e a bola de S. Bernardo.

Ondas da Serra tem consciência que nem sempre os trabalhos académicos são aproveitados na prática pelas entidades públicas e privadas para resolver e acautelar problemas atuais ou futuros. A seguir se insere parte de uma tese de dissertação para obtenção do grau de mestre na Universidade de Aveiro, pela então aluna Maria Fernanda Cardoso Conceição Azevedo Silva, onde são relatados importantes resultados e considerações sobre a economia e turismo de Arouca.

"A história de Arouca é conhecida desde os tempos longínquos, devido há existência de alguns vestígios pré-históricos. A civilização romana também deixou a sua marca através de uma via romana que começava em Viseu e cruzava o concelho de Arouca rumo ao Porto. Nota-se a presença de populações de origem germânica, que resultam das invasões barbaras, devido à toponímia como exemplo os nomes Sá, Sarail, Alvarenga, Burgo, Escariz, Friães e Melareses.

A Sociedade Filarmónica Santa Cruz de Alvarenga foi fundada em 1902, com o nome de “Philarmonica Alvarenguense” com cerca de 20 elementos, pelo Sr. Adriano Telles, natural de Alvarenga. A freguesia de Alvarenga teve sempre amor à música, e por isso não é de admirar que tenha sido a primeira banda a incluir elementos femininos, na década de 60.

Pág. 1 de 2
Pub